DESDE 1994! Somos especialistas em protecção de plantas em Agricultura Biológica e Produção Integrada.

Inseticidas Biológicos e Vegetais Fungicidas e Elicitores Confusão Sexual Armadilhas, Atrativos e Feromonas Biofertilizantes Serviços
Imagem do sistema reutilizável armadilha cromotrópica Rebell® Bianco instalada num pomar de macieiras durante a floração da cultura
Imagem do sistema reutilizável armadilha cromotrópica Rebell® Bianco instalada num pomar de famboesa durante a frutificação da cultura
Imagem com himenópteros adultos pertencentes a três espécies de Hoplocampa - comparação e régua para avaliação de dimensões e estruturas
Imagem de um himenóptero adulto da espécie Hoplocampa flava pousado num ramo
Imagem de um coleóptero adulto da espécie Byturus tomentosus capturado em armadilha cromotrópica branca rebell
48,50€Acresce 6% de IVA
Adicionar ao Carrinho

Sistema reutilizável de armadilhas cromotrópicas brancas (cada embalagem contém 8 armadilhas cruzadas - 20 x 15 cm - com cola e prontas a instalar) desenvolvido para a monitorização da mosca-serra-europeia-da-maça (Hoplocampa testudinea), mosca-serra-da-pêra (Hoplocampa brevis) e das moscas-serra-da-ameixa (Hoplocampa minuta e H. flava), bem como para monitorização e controlo dos escaravelhos-da-framboesa (Byturus tomentosus, B. rubi e B. unicolor).

Aplicabilidade

As moscas-serra (assim designadas em virtude do aspeto do seu ovipositor, que utilizam para perfurar os tecidos vegetais durante a oviposição), igualmente denominadas de hoplocampas, são altamente atraídas por superfícies brancas que não refletem a luz ultravioleta. Assim, estas superfícies brancas são consideradas pelos insetos como “super flores” e estes são altamente atraídos para as mesmas. Estas superfícies, tal como as armadilhas brancas do sistema Rebell®, revelaram-se igualmente atrativas para os escaravelhos-da-framboesa, o que permite o seu uso na monitorização e controlo da praga.

Identificação dos insetos capturados

Diferentes insetos não-alvo podem ser capturados com a utilização deste tipo de armadilhas brancas. Para além das moscas-serra (Hoplocampas spp.) e dos escaravelhos-da-framboesa (Byturus spp.), poderão ser igualmente atraídas e capturadas, moscas e mosquitos, no entanto, e dada a pouca atratividade do branco, apenas um reduzido número de abelhas será detetado nas mesmas.

  •  As moscas-serra são facilmente identificáveis. Estas possuem 2 pares de asas membranosas, e apresentam um corpo brilhante e compacto, e quando comparadas com vespas, abelhas ou formigas – não apresentam a constrição típica destas na base do abdômen (ausência da vulgarmente designada cintura-de-vespa);
  • Os escaravelhos-da-framboesa apresentam um formato ovalado com cerca de 4 a 5 mm de comprimento. Apresentam ainda o corpo coberto por uma densa camada de pelos muito finos de um castanho-claro iluminado, que com o tempo vai passando a castanho-escuro ou mesmo até a preto. Outras espécies de escaravelhos com tamanho e forma similar raramente são capturados nas armadilhas.

Utilização para moscas-serra

Instalação e controle de armadilhas

As duas placas que constituem a armadilha devem ser inseridas uma na outra em forma de cruz, e após passar um arame pelos orifícios superiores, a armadilha deve ser instalada num ramo horizontal da árvore onde se pretende monitorizar a praga, seguindo as indicações abaixo referidas:

  • Época: uma semana antes do início do abrolhamento dos gomos florais até à floração;
  • Posicionamento: dentro do pomar, na parte externa da copa da árvore (se possível na zona exposta a sul – área exposta ao sol até ao meio-dia), ao nível do rosto (aprox. a 1,7 m);
  • Quantidade: pelo menos 2 – 3 armadilhas por variedade (distanciadas entre si cerca de 30 – 50 m de distância). 2 – 4 quando instaladas múltiplas variedades na parcela ou no caso de variedades mais suscetíveis ao ataque da praga;
  • Monitorização: pelo menos uma vez por semana.

Interpretação das capturas

O voo das moscas-serra pode ser monitorizado com a utilização de armadilhas cromotrópicas brancas, dado que estas podem ser usadas para estimar um risco potencial de oviposição e consequentes danos associados. Em explorações localizadas na Europa central, o valor limite aceitável para o número global de insetos alvo capturados (somatório desde o início do voo) em armadilha, abaixo do qual o risco de oviposição não apresenta um impacto económico significativo na produção, é:

  • Mosca-serra-europeia-da-maçã: variedades suscetíveis (ex.: Idared): 20 a 30 por armadilha; variedades resistentes (ex.: Golden delicious): 40 – 50 por armadilha;
  • Moscas-serra-da-ameixa: 80 – 100 por armadilha (contabilizando as capturas de ambas as espécies globalmente).

Utilização para escaravelhos-da-framboesa

Medida de monitorização

As duas placas que constituem a armadilha devem ser inseridas uma na outra em forma de cruz, e após passar um arame pelos orifícios superiores, a mesma deve ser instalada num dos arames horizontais que servem de tutor à cultura, seguindo as indicações abaixo referidas:

  • Época: desde o início da floração até à colheita;
  • Posicionamento: dentro da parcela, numa fase inicial do desenvolvimento da cultura instalar a 0,5 – 1 m de altura, e mais tarde, durante o pleno desenvolvimento vegetativo, alterar para 1 – 1,5 m;
  • Quantidade: um mínimo de 2 armadilhas por variedade;
  • Monitorização: pelo menos uma vez por semana.

Medida de controlo

Como medida de controlo, deve utilizar-se apenas um elemento de armadilha e instale com um arame num dos arames horizontais que servem de tutor à cultura, seguindo as indicações abaixo referidas:

  • Época: desde o início da floração até a colheita;
  • Posicionamento: dentro da parcela, numa fase inicial do desenvolvimento da cultura instalar a 0,5 – 1 m de altura, e mais tarde, durante o pleno desenvolvimento vegetativo, alterar para 1 – 1,5 m. As armadilhas devem ocupar os espaços livres entre plantas, de forma que não sejam cobertas por rebentos jovens da cultura;
  • Quantidade: um elemento de armadilha a cada 3 – 5 metros;
  • Substituição: sempre que mais de 15% da área da placa está coberta por insetos alvo e /ou não-alvo.

Interpretação das capturas

O voo da praga pode ser monitorado com o recurso às armadilhas brancas (desde o seu início do mesmo até ao seu pico). Os diversos estudos de campo efetuados revelaram uma certa relação entre números de indivíduos capturados e intensidade do ataque e  consequentes danos observados na cultura. Os cenários de possíveis capturas que a seguir se apresentam são considerados como valores limite (representam as capturas acumuladas de insetos alvo desde o início do voo até o início da floração):

  • < 5 escaravelhos / armadilha: baixa infestação (dano < 1 %);
  • 5 – 20 escaravelhos / armadilha: infestação média (dano 1 – 5 %);
  • > 20 escaravelhos / armadilha: alta infestação (dano > 5 %).

Em situação de alta infestação em que o valor de insetos alvo capturados até a floração supera os 20, recomenda-se que sejam efetuados pelo menos dois ou três tratamentos com inseticidas homologados e autorizados para o modo de produção, cultura e praga, dada a elevada probabilidade de que pelo menos 5 % da produção seja perdida.

Nota: Aconselha-se que sejam efetuados testes prévios de comprovação da correlação, entre o número de capturas e a percentagem da produção afetada pelos danos causados pela praga, na exploração onde se pretende aplicar a metodologia. Os valores acima apresentados representam os resultados de testes realizados pelo fabricante do produto em zonas da Europa central e podem não representar fielmente os resultados que poderão ser obtidos na globalidade dos países ou regiões onde a metodologia poderá utilizada, em virtude de múltiplos fatores. Aconselha-se ainda, que sejam seguidas as recomendações presentes nas circulares regulares resultantes da atividade da Estação de Avisos Agrícolas da Direção Regional de Agricultura e Pescas de cada região, no diz respeito à monitorização, controlo ou aplicação de produtos fitofarmacêuticos que devem estar homologados e autorizados para uso no modo de produção da exploração, para a cultura e para a praga.

Limpeza e reutilização

As armadilhas devem ser removidas da parcela antes da colheita, devidamente limpas e conservadas ao abrigo de poeiras / condições atmosféricas adversas. As armadilhas podem ser reutilizadas após remoção, com auxílio de uma espátula e de um biosolvente neutro (não agressivo para plástico - disponível em drogarias), da cola e dos resíduos dos insetos capturados em resultado da utilização prévia. De forma a permitir a reutilização, encontra-se disponível para comercialização a cola necessária para renovar a sua aplicação nas armadilhas, sob a designação de Tangle-Trap (156 g).




Compra Online

Os produtos Biosani podem ser encomendados via internet, através do carrinho de compras em cada página.

O valor dos portes é personalizado ao cliente, conforme necessidade e valor mais económico. Após receber a encomenda, a Biosani contacta o cliente o mais brevemente possível com informação referente ao valor total da encomenda e dados para pagamento.

Para qualquer dúvida, contacte-nos:


Produto Fitofarmacêutico

Os produtos fitofarmacêuticos requerem Cartão de Aplicador ou Cartão de Técnico Responsável.

  • Adicionar ao Carrinho

    Poderá utilizar o cartão de outra pessoa, desde que a mesma se responsabilize pela aplicação do tratamento.
    Consulte aqui a Lei n.º 26/2013 de 11 de abril (Distribuição, venda e aplicação de produtos fitofarmacêuticos).

    * Campos de preenchimento obrigatório
Subscreva a nossa Newsletter